Ivan Jubert Guimarães
20/02/2013


Não sei o que se passa em minha cabeça,
Tudo parece nebuloso e nada faz sentido,
A memória falha, não há o que eu não esqueça,
Parece que ando a esmo, completamente perdido.


Há tempos não provo as delícias do amor,
Aquele amor voluptuoso e pleno de delícias;
Num pedaço de meu corpo, apenas o torpor,
E a vontade louca de me perder em carícias.


O tempo vai mais depressa do que a gente quer,
E não adianta ficar vivendo de lembranças,
Um poeta sempre deseja por perto uma mulher.


É nos meus versos que procuro um novo alento,
É neles que revivo e crio as minhas andanças,
Até que um dia tudo seja levado pelo vento.



Ivan Jubert Guimarães

Direitos reservados ao autor
 

 

 

Midi: Prece ao Vento