Ivan Jubert Guimarães
25/10/2010



Está perto de acontecer, só não sei como, onde e quando.
Mas a morte nunca foi traiçoeira como pensamos,
Ela manda avisos e chega mansa e fica esperando
E a hora final nem sempre é como a imaginamos.


Fico olhando pela janela vendo o dia que amanhece,
A claridade também chega mansa, bem devagar,
Tantas coisas belas que a vida se nos oferece,
E são tão poucos aqueles que vêm o dia chegar.


Costumo levitar em meus sonhos, chego quase a voar;
A sensação é tão boa, tão leve que passo horas no ar,
E vivo um sentimento de harmonia e indescritível felicidade.



Cansado de tanta maldade e dos problemas terrenos,
Quero crer que na vida deveria ter, pelo menos,
Uma passagem livre para um voo para a liberdade!



Ivan Jubert Guimarães


Direitos reservados ao autor
 

 

 

 

 

 

 

 

 

LIBERDADE