Ivan Jubert Guimarães
30/11/2007



As lágrimas que derramo são lágrimas de dor,
Dor física que dói e me machuca muito agora.
Já faz tempo que eu não choro por amor,
Como faz tempo que esta dor não vai embora.


Hoje carrego no peito tristeza que me consome,
Uma alternância de dores e amores confusos;
Sentimentos diversos dos quais nem sei o nome,
Pois um dia sou porca, no outro sou parafuso.


E neste vai e vem tão abundante e constante,
Sinto-me como uma peteca jogada ao vento,
E isso me faz sofrer e por isso choro bastante.


Já está na hora de mudar toda esta conduta,
Nem que eu tenha que dormir ao relento,
Pois quando choro só escorre uma lagrima enxuta.



Ivan Jubert Guimarães


Direitos reservados ao autor