Ivan Jubert Guimarães
20/06/2009


E de repente uma porta se abre
E tu entras no pequeno aposento,
Parado com cara de que ninguém sabe,
Calado para não demonstrar contentamento.


Não te vi despenteada como gostaria,
Mas o deslumbramento que tive da visão,
Fez com que pensasse em ti o resto do dia,
Ao tocar-te com meus olhos, disparou meu coração.


O encontro durou apenas alguns segundos,
E logo cada qual seguiu seu caminho,
Queria mais tempo, mas tive que ficar sozinho.


O prazer veio logo e nele mergulhei fundo
Ao abraçar-te e perceber nossos corpos abraçados,
A mão em teu rosto e meu rosto em teus cabelos molhados.



Ivan Jubert Guimarães
Direitos reservados ao autor