Ivan Jubert Guimarães
23/07/2012


Quando a solidão invade minha alma,
Tira-me o sossego, aflige minha mente,
Fico com medo, chego a perder a calma,
Só como um rio que corre sem afluente.


Sinto-me dominado por uma dor atroz,
Quero gritar, mas o grito preso na garganta
Impede que eu solte a minha voz
E dê o grito que a dor espanta.


Eu não grito, fico mudo como um boneco,
Ouço vozes vindas não sei de onde,
Estou só, não falo, e parece ser um eco.


Procuro e farejo como um cachorro
Parece brincadeira de esconde-esconde,
Mas é minha mudez gritando socorro!


Ivan Jubert Guimarães

Direitos reservados ao autor
 

 

 

Midi: Som do Silêncio - Instrumental