Ivan Jubert Guimarães


De tanto amar meu peito está arrebentado,
De tanto me entregar estou quase falido,
Meu corpo há  tempos vem sendo açoitado,
E ninguém me chama mais de querido.
 


De tanto amar fui esvaziando o coração,
E sentindo um enorme vazio dento de mim;
Saia muito amor e não entrava nem paixão,
E o pior é que continuo amando mesmo assim.
 


De tanto amar fui rompendo muitas barreiras;
De onde vem tanto amor eu desconheço,
E se não sou tão amado é porque não mereço.
 

 

Mas amei minhas amadas de muitas maneiras.
Se te pareço casto, posso te amar como queres,
Este é o resultado de tanto amar lindas mulheres.

 


Ivan Jubert Guimarães


Direitos reservados ao autor