Ivan Jubert Guimarães


Hoje, sem que precisemos de máscaras, nos encolheremos em um caminho,
falaremos de mansinho o quanto nos queremos bem.
Teus olhos tão penetrantes e inquietantes me procuram entre um poema e outro.
Contornarei tua boca com a minha sussurrando baixinho o quanto te desejo.

Como é doce ouvir você dizer que me ama e o resto que se dane.
Vivemos eternamente atrás dos panos, fazemos nossos espetáculos sem platéia.
Gosto que me gostes assim: pensando que sabes a essência de mim.

Sou fogo intenso, mulher em chama constante, ardente e trepidante;
Preciso beber outros vinhos... mais finos e de sabores menos seco,
Quem és tu homem que me deixa em chamas, me diz, quem és tu?

Você aconteceu, e nem me dei conta de que seria efemeramente eterno;
Me encanta te amar do meu jeito, ser teu segredo
É assim que te quero, indefeso, solto, largado,
introspectivo em mim, sem culpa, sem reservas, dócil e viril

Gosto de te gostar, mesmo errando nas horas incertas,
te sentindo ir sem a certeza de voltar.
Te serei uma amante sem igual, ímpar, desordenarei teus sentidos
quando me deitar em teu corpo tão meu;
Me queira assim como sou... sem perguntas... sem respostas.

Meus sonhos não são em vão... eu te tenho sempre em mim, mesmo te vendo partindo.
Eu sem você sou rima sem poesia, chegada sem partida, sou apenas inércia sem vontade de chegar.
Eu sem você sou tempo sem espaço, um total descompasso, sou uma metade
vagando querendo te encontrar.

Vim hoje te dizer adeus, um adeus triste, cheio de encontros
tumultuados e desencontros frustrados.
Dancei minha solidão nos palcos efêmeros, deslizei em salões desconhecidos, vazios e frios.
Te procuro no além, no porém, na aresta do meu sonho, na distorcida
lembrança, na teia da minha imaginação

Voltaste, ressurgiste como furacão, sempre me desestruturando e me domando.
Agora te darei mais espaço... deixarei você chegar e ficar;
Hoje estou em festa, meu presente me revelou que o passado
já longínquo não retornará mais e o meu futuro me reserva muita paz.

Te espero como fêmea ardente, febril; te espero pronta sem pudor ou vergonha.
Me chame! Diga meu nome só mais uma vez, do jeito que você gosta de me chamar;
Chame baixinho, fazendo biquinho... chame... e eu farei você ficar!

Se eu sumir dos teus olhos,me encontre nos poemas de amor, nas poesias
que choram os poetas apaixonados;
Neles você enxugará minhas lágrimas, sentirás os meus beijos mais ardentes
E minha alma prisioneira de uma linda história de amor chamada Você!
 

 

Versos

Poesias

1 Só Hoje
2 Teus Olhos
3 Aceite
4 Como é Doce
5 Distância
6 Gosto Que Me Gostes Assim
7 Sou
8 Me Perco
9 Quem és Tu?
10 Spirit em Mim
11 Me Encanta
12 Teu Corpo no Meu
13 Meu Jeito de Te Gostar
14 Uma Anja de Branco
15 Sem Perguntas 
16 Beginner
17 e 18 Eu Sem Você
19 Adeus
20 Bailarina
21 Te Procuro
22 3 23 Você, Sempre Você
24 Meu Hoje
25 Te Espero
26 e 27 Fique
28, 29 e 30 Se Eu Sumir...