TRANSPARÊNCIA
20/1/2000


Se os olhos são o espelho da alma,
Não deixa que neles se reflita tua ira.
Deixa que neles transpareça a paz, a calma;
Que a verdade se sobreponha à 
felicidade, à mentira.

Faze com que a beleza se mostra 
mais que a feiúra;
E que o orgulho e a vaidade 
rendam-se à simplicidade.
Admira-te, no entanto, como a 
mais linda criatura,
Que Deus criou na magnitude 
de Sua criatividade.

Não reclama das dificuldades 
que encontrar no mundo;
Teus olhos enxergam apenas 
o que queres ver;
Por isso é que mudas teu 
humor em apenas um segundo.

Muda de atitude e, se possível, 
muda agora;
Verás que a vida ficará mais 
fácil de se viver,
E viverás feliz nesta vida, 
até a hora de ir embora.
 



ESPERANÇA
4/5/2000


Nos momentos mais difíceis da vida,
Quando tudo nos parece perdido,
Devemos recorrer a Deus por nova guarida;
Ou, então, deixá-lo de lado, esquecido.

As dificuldades de nosso dia-a-dia,
Se vencidas, só nos farão crescer.
Assim, viva sempre tua vida com alegria,
Pois com sorriso no rosto e nos olhos, 
com certeza irás vencer.

Por maior que seja a dificuldade,
Não te esqueças nunca de agradecer.
Agradeça pela dor, pela ausência, pela saudade.
Mas sorria, por mais doída que tua dor possa ser.

A fé precisa ser sempre redobrada,
Deus está sempre presente e nos socorre;
Quando tudo te parecer não valer mais nada,
Lembra-te de que a esperança é a última que morre.



VAMOS SER
15/6/2000
 


Onde buscar a felicidade?
Preocupados que somos apenas com o ter?
Qual a razão que desde a mais tenra idade,
Quase nunca pensamos naquilo 
que queremos ser?

À medida que nos aproximamos da morte,
Felizmente vai mudando nosso pensamento,
E vamos mudando de atitude 
desejando melhor sorte.
E assim acabamos conquistando um novo alento.

Sabemos que a vida é quase sempre assim,
Por que então não acordamos mais cedo?
Deixamos de pensar no ter, apenas no fim;
O fazemos por consciência ou apenas por medo?

Vamos viver a vida com mais sabedoria,
Ouçam o que este irmão lhes diz:
Não esperem pelo último dia,
É tão fácil e simples ser feliz!
 



REAVALIAÇÃO
20/7/2000


Quando na mais completa solidão,
Naqueles momentos em que nos vemos sozinhos,
Chega a hora de ouvir o que diz nosso coração,
E reavaliar todo nosso caminho.

As idas e vindas de nosso ser,
Pelos caminhos escabrosos da vida,
Dão-nos o desejo covarde de morrer,
Como se a vida toda estivesse perdida.

Ah como é triste conhecer esta verdade:
Que o medo provoca em nossa alma,
À medida que se vai avançando na idade,
Vamos nos torturando e perdendo a calma.

Infelizes aqueles que sofrem desta doença,
E que nada de bom aprenderam ainda;
São almas sofridas e que não 
possuem nenhuma crença.
E por isso desejam sua existência finda.

Nada pode ser feito à revelia;
Pois mesmo Deus em sua infinita bondade,
Não nos autoriza mesmo que por um dia,
Antecipar nossa morte à nossa própria vontade.

É nosso desejo que não temam a morte,
Mas muito mais forte é o desejo 
que não temam a vida.
Vivam-na com integridade qualquer 
que seja sua sorte,
E creiam que nunca lhes faltará guarida.

 


EM BUSCA DO AMOR
4/8/2000
 


Respira profundamente!
Deixa que o ar que entra em teu pulmão,
Possa também refrescar tua cabeça.
Solta o ar que inspiraste lentamente,
Deixa que antes ele varra teu coração,
Limpando tudo, sem nenhuma pressa.

Estás livre dos maus pensamentos,
Sem nenhum sentimento de ódio também.
Tenta agora praticar total imobilidade.
Aja com cautela em cada teu momento.
Deixa que o mal se esvaia, guarda o bem porém.
E parte em busca da felicidade.

Segue com a fronte erguida, mas com a mente pura;
Anda com humildade e confiança.
Caminha apreciando cada detalhe da paisagem.
Carrega contigo a luz iluminando cada rua escura.
Afasta a violência, deixa tua alma mansa.
Estuda a história do homem nesta viagem.

Acredita na força de teu “eu maior!”
Faze tua parte, pratica a verdadeira bondade.
Faze usando toda a energia que Deus te deu.
Crê que vais conseguir um mundo bem melhor,
Vivendo tua vida com sabedoria e humildade.
E os que vierem depois de ti dirão: 
“O Amor venceu!”.
 



SENTIDOS
17/8/2000


Quem quiser de fato aprender, não precisa 
perder a vida em meio aos estudos, ou até mesmo 
nos livros. A grande lição da vida está no uso 
dos sentidos que Deus concedeu a todos.

“Ao ouvires as experiências vividas,
Dos irmãos que vieram primeiro,
Evitarás caminhada perdida,
Ouve, pois a voz de teu conselheiro!

Ao vires o exemplo mostrado,
Terás o espelho a ser seguido.
Não caias por terra prostrado;
Caminha com o semblante erguido.

Ao sentires na pele as dores do parto,
Entenderás que na vida nem tudo são flores.
Mas de fracos o mundo já está farto;
É para os fortes que se destinam os amores.

Ao provares o gosto amargo da desilusão,
Afasta o cálice repleto de fel;
Procura sentir o sorriso de todo irmão,
E sinta nos lábios o gosto adocicado do mel.

Ao falares de outrem, lealdade ou caridade,
Pratica o que dizes com fé e fervor;
Sê honesto e tende muita humildade,
Só assim levarás tua vida com amor!”.

O conselho está aí para quem quiser seguir:
A fonte de todo conhecimento está no sentir!
 




PEQUENINO

24/8/2000



Suba numa colina, monte ou montanha.
Verás que és, das criaturas, a mais estranha.
Lá de cima, verás que tudo é muito pequeno;
No entanto te julgas o maioral.

Por acaso consegues, lá de cima, 
identificar um conhecido teu?
Por que achas, então, que serás visto 
do alto ou mesmo reconhecido?

Percebes que o que te faz grande é apenas 
o tamanho da tua vaidade?

Suba apenas com o teu espírito e 
veja teu corpo, lá de cima.
Vê como és pequenino?
Eras bem maior quando foste menino.

Deixa, pois tua vaidade de lado;
Apruma o corpo, mas evita a soberba;
Ajoelha-te diante dos homens vaidosos;
E ainda assim os verás de cima.

 


O VERBO
24.08.2000


De todos os verbos conjugados,
Amar é o mais transitável;
Pois de todos os sentimentos demonstrados,
O amor é o mais inigualável.

Amar em todos os tempos,
Presente, futuro e passado,
É como viajar com os ventos,
Sentindo no rosto a carícia do ser amado.

Na vida que todos nós temos,
A morte é o que mais nos assusta;
Tememos só porque não a vemos;
Por isso fugimos da luta.

Se amamos com a força plena,
Podemos derrotar qualquer inimigo,
E sempre valerá a pena
Conjugar o verbo amar comigo.

Escuta o som que do coração ecoa,
E ama de todo modo possível.
Conjuga o verbo em qualquer pessoa;
Verás que te tornarás invencível.

 


SONETO DAS FLORES
31/8/2000



Os campos estão todos floridos!
Sente o perfume que vem das flores;
Vê como o chão está todo colorido,
E também as árvores estão com lindas cores!


Desfruta e aproveita desta beleza,
Antes que uma sombra escura,
Cubra toda esta Natureza,
Tornando esta terra impura.

Para que as coisas não sejam assim,
Rega diariamente tua mente com amor;
Faze de teu coração um lindo jardim.

Preserva os bons princípios de forma severa;
De tuas sementes sempre nascerá uma linda flor.
Aproveita, faze isso agora que chegou a Primavera!
 



SEMEADURA
21/9/2000
 


As boas sementes não devem ser jogadas sobre qualquer 
terra, pois não irão germinar.
Antes da semeadura, muito trabalho deve ser feito 
para que, depois, a natureza possa seguir seu curso.
Assim, prepara a terra. Limpa o chão, arrancando dele 
as ervas daninhas. Retira as pedras que forram a 
superfície. Recolhe as impurezas que foram jogadas. 
Agora, deixa a terra descansar um pouco para que se recupere.
Enquanto isso, prepara as sementes retirando delas 
toda umidade. Espalhe-as ao sol para que adquiram a 
secura que lhes dará a força viçosa que fará tudo brotar e crescer.
Repousa agora. Teu corpo precisa do descanso pois o 
plantio se aproxima e exigirá todo teu vigor.
Ei, psiu! Acorda.
Ei companheiro, levanta. O dia está nascendo e tu ainda 
tens que trabalhar e preparar a terra antes que o sol a 
esquente demais.
Passe o arado ou simplesmente vá revolvendo a terra 
deixando que o orvalho penetre em suas entranhas.
Isso! Podes jogar as sementes agora. O orvalho as 
manterão regadas e com a energia necessária para que brotem.
Espera! Deixa que agora a natureza faça a sua parte.
Não fica ansioso demais, pois tudo acontece no seu devido tempo.
Ei! Não fica olhando a toda hora. Deixa que germinem 
em paz e na quietude de seu universo. A fecundação é 
divina e só a Deus compete reger sobre a vida.
Ei! Psiu! Acorda. Vê que dia lindo está nascendo. 
O sol estará muito bonito hoje e o céu vai estar 
muito azul. Olha que lindo!
Agora baixa os olhos e olha um pouco para tua terra. 
Vê como está verdinha! Todas as sementes germinaram. 
Trabalhaste bem. A Natureza fez a sua parte e tu 
fizeste a tua. Colhe os frutos de teu trabalho.
Agora meu companheiro, planeja tua vida como planejaste 
a tua plantação. Observa o que pretendes colher e o 
quanto desejas ter. A ti será dado o que desejares, mas 
é importante que tu saibas o que desejas. O resultado de 
tua colheita está diretamente relacionado com a semente 
que foi semeada. Nunca vais colher maçãs se plantaste batatas.
Planeja, idealiza teu sonho e planta a semente que o 
tornará realidade.
Cultiva, porém, a virtude da paciência, da mesma forma 
que o fizeste quando jogaste as sementes na terra.
 




A VERDADE
28/9/2000


Para muitos homens a vida é uma inimiga inexorável, 
pois sentem medo de viver.
Viver é um trabalho danado, pois não?
Pensa numa coisa antes de mergulhares na 
depressão e no medo. Se fosse para que todos 
tivessem uma vida sem problemas, por que haverias de nascer?
As dificuldades é que sempre foram as responsáveis 
pelo desenvolvimento humano.
O frio trouxe o fogo. A fome trouxe o alimento. 
A dificuldade de locomoção trouxe a roda. E assim, 
tudo o que ocorreu no mundo foi fruto das dificuldades.
Por isso, aprende com tua dor e com teu sofrimento. 
Logo irás descobrir mais uma verdade.

 


EXEMPLO
28/09/2000

Quando falas e consolas a um teu irmão,
Acaso fazes o que dizes?
Sentes aquela paz gostosa no coração?
Te sentes feliz, assim como deixa aos outros felizes?


Se acreditas, de fato, no que tua voz diz,
Não te verás perdido em dilemas;
Te sentirás mais forte, decidido, muito mais feliz,
E tua vida será sempre sem problemas.

Aumenta tua fé que ainda é pouca;
Deixa aflorar todos teus sentidos,
Não esquecendo que o som que sai de tua boca,
Deve, primeiro, ir para teus ouvidos.
 

 



HISTÓRIA DE TODOS OS DIAS
16/11/2000

 


Era um carro velho, com a pintura já um pouco descascada. Uns pontos de ferrugem aqui e ali, motor um pouco barulhento que disputava com a lataria quem produzia mais ruído. Os pneus, ah os pneus, bem deixa pra lá os pneus.
No volante, um homem humilde e de aparência muito bondosa, quase santa.
Ao seu lado, sua mulher grávida, segurava com as duas mãos sua enorme barriga, olhar aflito, suplicando para que chegassem logo ao hospital, pois chegara a hora do bebê nascer.
A noite era quente, porém chuvosa. Trânsito ruim, tráfego intenso e, vez por outra, uma pontada um pouco mais aguda provocava um grito de dor.
O marido crispa o rosto e percebe-se que sua aflição já
transborda em lágrimas.
O engarrafamento é gigantesco; só não é maior que o
desespero do Zé. Mas a chuva para de cair e, no céu,
abre-se uma cortina de luz e aí o Zé percebe uma ruazinha estreita e deserta no meio daquele quarteirão congestionado.
O carro parece criar vida e vai se espremendo entre os outros carros até conseguir chegar à pequena viela e aí, trânsito livre pela frente, o Zé arranca com destino ao hospital.
Subitamente, porém, o carro começa a mancar, ficando capenga e o Zé de novo começa a se desesperar. Essa rua estreita quase não tem esquinas, não tem iluminação a não ser a luz que vem do luar e daquela estrela que o Zé sempre chamou de Dalva.
Mas o carro do Zé ta capengando e sua mulher dá um novo grito de dor. O Zé se assusta e tenta acelerar mais o carro.
Ele olha para o lado e coloca sua mão na barriga da mulher, pisca os olhos para tirar o ardor das lágrimas e sente que a mulher já iniciou os trabalhos de parto, mesmo estando quase desfalecida. O carro já quase não anda. O pneu, ah aquele pneu velho e desgastado acabou de furar. O Zé vê umas luzes coloridas piscando e vai com seu carro capenga até elas e para em frente de uma borracharia.
A mulher dá outro grito e o Zé então invoca a ajuda de Deus. Ele se ajoelha e encosta a cabeça nos joelhos e reza fervorosamente. O Zé fica rezando e quase nem percebe o choro da criança que acabara de nascer. Entre surpreso e comovido o Zé se levanta e dirige-se à sua mulher dizendo: “Maria, está tudo bem?”
“Está sim Zé, está sim”. O Zé então olha para o pequenino que acabara de nascer e pega-o em seu colo abraçando-o carinhosamente e murmurando palavras de agradecimento a Deus.
Com o menino apoiado em seus braços, Zé o conduz até à banheira que todo borracheiro tem igual e para sua sorte a água está límpida e o Zé banha seu bebê.
Neste instante chega o borracheiro acompanhado de outros dois homens a quem fora socorrer. Ao verem o casal e a criança, todos se emocionaram e abraçaram o Zé desejando a ele um Feliz Natal. É, era noite de Natal.
Histórias como essa acontecem quase todos os dias do ano. Há dois mil anos atrás também aconteceu uma muito parecida. Quantos terão ainda que nascer e quantos ainda mataremos sem que percebamos a lição que Jesus quis nos passar?