O Carro de Boi

 

 

 

Quando vejo estampada na figura,
a tosca imagem de um carro de boi,
eu sinto uma pontinha de amargura
de uma coisinha à toa que se foi
 
 
Nesse tempo eu era ainda uma criança,
Alegre quanto um doce beija-flor
E cultivava na alma uma esperança
Que a vida fosse feita só de amor.
 
 
E, então, eu interrompo o pensamento,
Não há tristeza pelo que se foi
Se o que foi em mim foi bom momento.
 
 
E nessa hora eu volto à realidade
E vejo que o que sinto é só saudade
Que foi embora num carro de boi...
 

 

 

 

Rita Bello

 

Todos os direitos reservados à autora