José Antonio Jacob

 

 

 

Ainda que até o amor você me roube
(Pode roubar-me sem abrir a porta)
Rogarei que outro amor maior me arroube,
Pois só o amor meu coração conforta.

Ora, que triste, a noite é quase morta!
E o meu beijo em seus lábios nunca coube,
Eu amo a dor e a dor não me suporta
Porque eu já morri e você não soube.

O meu amor que o seu amor espalma,
Em troca de ter-me arrebatado a alma,
Haverá de avivar as suas dores.

Que vibre no seu peito outros amores!
Você feriu-me a vida e dou-lhe flores...
E morro sem você na noite calma.
 

 

 

 

Que doce olhar... e a vida é tão pequena!
O mundo é triste sem seu doce olhar...
Para mim seu olhar é uma novena
Que acompanho de longe sem rezar.

Amo-a tanto e ela sabe que me amar
É dor, tristeza, mágoa, perda e pena,
Por isto ela não me ama e me condena
A entrar no céu e não poder ficar.

Que coisa triste, que desesperança!
Ponho em seus olhos meu olhar que clama
E ela olha-me inocente feito criança.

Adeus! (meu breve adeus é o de quem ama)
Deixo-lhe meu sorriso de lembrança,
Pois tenho de ir que a minha dor me chama.
 

 

 

 

Não me diga adeus que ainda é cedo amor,
Antes sorria para que eu não chore
E deixe que entre nós tudo demore,
Até a despedida e o desamor.

Eu sei que você sabe a minha dor,
(E haja em mim mais angústia que lhe implore)
Essa dor que os meus olhos descolore
Haverá de ficar se você for.

Não faça assim amor, não me entristeça,
Se for para você se despedir
Tomara que amanhã não amanheça!

Nada acontece quando Deus não quer,
E eu peço a Deus para você não ir
Nem me dizer adeus... Se Deus quiser!
 

 

 

 

Enquanto, em seu olhar, o amor se cala,
Se Deus quiser você verá que aqui
No meu olhar é o coração que fala:
- É a minha alma que nele lhe sorri!

Eu tive tanto tempo para amá-la,
Os dias todos em que não morri,
E amei a solidão na minha sala
Nos mesmos dias em que não vivi.

Eu não a vejo na minha saudade,
E o que os seus olhos podem me dizer
Sua saudade ingênua não me diz.

Que seu olhar se cale de verdade!
Mas se a verdade é o que me faz sofrer
Dê-me a mentira para eu ser feliz.
 

 

 

José Antonio Jacob

 

Direitos reservados ao autor