Ama-me pelo amor do amor somente.
Não digas nunca: "Amo o sorriso dela,
Seu rosto, ou o jeito de dizer aquela
Palavra murmurada de repente


Que faz meu pensamento confidente
Do seu, e torna a tarde ainda mais bela".
Tudo pode mudar, meu bem, cautela,
Pois pode ser que o amor de nós se ausente.


Tampouco sirva o amor que assim me dás
Pra enxugar-te o pranto por piedade:
Quem prova teu consolo é bem capaz


De, sem chorar, perder-te por vaidade.
Mas se amas por amor, conseguirás
Amar sem fim, por toda a eternidade.



Elizabeth Barrett Browning

Tradução: Manuel Bandeira
 

 

 

 

Amo-te quanto em largo, alto e profundo
Minh’alma alcança quando, transportada,
Sente, alongando os olhos deste mundo,
Os fins do Ser, a Graça entressonhada.
 

 

Amo-te em cada dia, hora e segundo:
À luz do Sol, na noite sossegada.
E é tão pura a paixão de que me inundo
Quanto o pudor dos que não pedem nada.
 


Amo-te com o doer das velhas penas;
Com sorrisos, com lágrimas de prece,
E a fé da minha infância, ingênua e forte.
 


Amo-te até nas coisas mais pequenas.
Por toda a vida. E, assim Deus o quiser,
Ainda mais te amarei depois da morte.

 

 

 

Elizabeth Barrett Browning

Tradução: Manuel Bandeira

 

 

 

 

Midi: Beethoven by James Last - Romance