Davilson Roberto Alves
 

 

Sabe amor, hoje eu queria tanto de escrever para você , mas as palavras que estavam na minha mente não conseguia decifrá-las...
Todos os dias, todos os instantes, tento escrever sobre de ti ...
Por muitas vezes comparo-te com a lua e outras vezes com uma estrela cadente, hoje, meu amor, eu não sei ler os meus pensamentos, talvez não seja um bom decifrador?
Te retratar! sim e como eu queria amor! mas o lápis com qual escrevo não tem a magia em descrevê-la e fico perdido no meio das minhas garatujas...somente rabiscos.
Nas dunas vejo redemoinho desfazer a tua imagem, que tentei esculpir, mas ela se vai com o forte vento para o recôncavo...
Que pena amor! Por mais que queira não consigo...
Na praia também tentei com a areia, mas as águas do mar apagaram tua imagem, eu tentei amor! eu tentei!
Fecho os olhos me tornarei um feérico e num toque mergulharei em lugares iluminados e imagináveis, pois somente em lugares assim poderei imaginar, desenhá-la, escrever algo, somente assim amor poderei falar de você.
Sabe meu amor eu tentei!

 

 

Davilson Roberto Alves

 

 

Direitos reservados ao autor

 

 

 

 

 

 

 

 

LIBERDADE