Ivan Jubert Guimarães & Rita Bello

19/08/2011
 

 

 

Sempre que caminho pela estrada da vida
Sigo por caminhos de alegria ou torturas,
Sinto, muitas vezes, a esperança perdida,
E, em outras, desejos de fazer loucuras.


Tenho desejos de fazer loucuras
Se me sinto sozinha nesta vida
Sinto tremores, medos e amarguras
Numa busca eternamente falida


Pelos caminhos mantenho diversos encontros.
Amigos, ou desafetos que causam tormentos,
Que já perdoei, mas ainda não estão prontos
Para transformarem em perdão estes momentos.


Se pudesse transformar em perdão estes momentos
Quando travo verdadeiros confrontos
Me esqueceria dos ressentimentos
E talvez, os registrasse em belos contos


Para um poeta que ama e ouve ser amado
Nada mais tem importância na caminhada
Mesmo andando e procurando por todo lado
Até descobrir a companheira, mulher amada.


Eu busco ser a companheira, a mulher amada
E para isso muito tenho me esforçado
Confesso que às vezes fico toda atrapalhada
À procura de um homem apaixonado


 

E, assim, sentindo o peito bater apertado,
Um nó na garganta, eu sigo em frente,
Sinto-me valente e jamais um coitado,
E meu coração bate cada vez mais saliente!


O meu coração bate cada vez mais saliente
Sonhando ainda com o príncipe encantado
E ao encontrá-lo, nada quero à minha frente
Para me dedicar apenas ao meu terno e doce amado
 



Ivan Jubert Guimarães

Rita Bello

 

 

Direitos reservados aos autores

 

 

Midi: Encontros e Despedidas ao piano

 

 

 

 

 

LIBERDADE