Ivan Jubert Guimarães
25.12.2006



Nosso amor sempre rompeu todas as barreiras,
Sempre foi forte, intenso e muito seguro,
E mesmo nos amando de todas as maneiras
Ele nunca deixou de ser grande, belo e puro.
 


Em muito do que fizemos, sempre fomos pioneiros;
Muitos estranhavam nosso jeito de ser e de viver.
Tivemos diferenças que nos tornaram prisioneiros,
Mas nos libertávamos logo para continuar a aprender.
 


E se houve um tempo em que o deixamos enfraquecer,
Reconhecemos nossas culpas, reescrevemos o roteiro,
Afinal um amor como o nosso nunca poderia morrer.
E retomamos nosso caminho, preenchendo-o por inteiro.
 


Buscamos e hoje nós temos os mesmos objetivos,
Que é a construção de um mundo bem melhor;
Hoje pensamos mais no outro e somos mais ativos;
Apreendemos o caminho, já o sabemos de cor.
 


Por isso minha querida acredite sempre em mim,
Nunca duvides de sua importância em minha vida,
Pois um amor como sinto não chega nunca ao fim,
E as tristezas que te causei sei que já foram esquecidas.
 


Este amor já transcendeu as necessidades do sexo,
E isso não me causa desespero e nem desgosto!
Só uma coisa faz dele incoerente e tão complexo:
É que não resisto à beleza toda vez que vejo teu rosto.



Ivan Jubert Guimarães


Direitos reservados ao autor