Ivan Jubert Guimarães
05.01.2007


O que é? Como nasce? Como cresce e qual seu destino?
Não será amor demais e recusado dentro do peito?
E por isso temos a necessidade de um amor clandestino?
Ou será porque homem é assim mesmo e não tem jeito?


Eu nasci para amar e fazer do mundo um lugar mais feliz;
Então amo e procuro amar cada vez com mais intensidade;
Mas não entendo o porquê que muita gente me diz,
Que o homem decente deve sempre manter fidelidade.


Eu sou fiel ao princípio do amor em sua totalidade,
Por isso eu amo sem ter vergonha ou mesmo medo;
Só o amor que damos nos proporciona felicidade,
Por isso eu amo e não faço disso um segredo.


Se Juliana sente a mesma coisa que eu sinto,
Por que não desfrutar de uma coisa tão linda?
Envelhecer amando é como o bom vinho tinto,
O amor se encorpa e adquire bouquet que não se finda.


E querida, se na curva de teu corpo eu já me perdi,
E a distância que nos separa não é pequena,
Com você tive os melhores momentos que já vivi,
E cada momento sempre valeu muito a pena.


Por isso é que tenho pureza em meu pensamento,
Por mais sensual que possa ser esta chama.
Mas desejo seu corpo para aliviar meu tormento,
E amar-te como mereces em tua própria cama.



Ivan Jubert Guimarães

Direitos reservados ao autor

 

 

Midi: Proposta - Eduardo Lages