Ivan Jubert Guimarães
24/12/2006


Às vezes nos acontecem coisas estranhas!
Parecendo que algo invade o corpo da gente.
Como fosse uma fera devorando as entranhas.
Mas que não consegue devorar minha mente.


É um sentir dor e regozijar-se com ela,
Querendo que ela aumente a cada segundo,
É ver a vida passando rápida pela janela,
E como Carolina, não ver a beleza do mundo.


Não sei dizer se é coisa eterna ou passageira,
Nem calculo o tamanho de sua intensidade,
Mas é como se fosse passar a vida inteira,
Correndo em busca dessa tal felicidade.


Talvez nunca tenha te amado como mereces,
Pode ter sido apenas uma paixão de momento,
Tento esquecer-te, mas apesar de minhas preces,
Por mais que eu tente, tu não me sais do pensamento.
 



Ivan Jubert Guimarães


Direitos reservados ao autor