Ivan Jubert Guimarães
25.12.2006



Quando passas caminhando pela rua,
Estou sempre de tocaia à tua espreita,
Eu te persigo à distância à luz da lua,
Cauteloso, como sempre, sem deixar suspeita.
 


Tu percebes, no entanto, e aumenta o passo,
Quase sempre fazes isso no mesmo lugar,
Eu tolo e desconfiado perco o compasso,
Quando paras, me olhas, e voltas a andar.
 


É amor o que ela sente, penso comigo,
Mas tu segues teu caminho com firmeza;
Tento seguir-te, tremo todo, e não consigo,
E me perco diante de minha tola incerteza.
 


Mas, um dia, não importa quanto tempo leve,
Conseguirei ficar frente a frente contigo,
Cobrarei os beijos e abraços que tu me deves,
Podes crer, amadureci, e desta vez eu consigo!



Ivan Jubert Guimarães


Direitos reservados ao autor