Ivan Jubert Guimarães

03/03/2016

 


Ah! quando deste mundo eu partir,
Nada sobrará do quase nada que fiz.


Talvez caiam algumas lágrimas,
Sentidas ou não;
Lágrimas de uma saudade
Que alguém poderá sentir.


Pode ser que minha poesia
Sobreviva por algum tempo,
(Muitas estão espalhadas por aí);
E possa ser lida por alguém
Que nunca me conheceu,
E se emocione com meus versos.


Não preciso de títulos e honrarias
De academias literárias,
Pois eu sei que sou imortal.
É meu corpo que morrerá em mim;
Mas meu espírito viverá na eternidade.


E se for de meu merecimento,
Entrarei no Reino dos Céus!


Ivan Jubert Guimarães

Direitos reservados ao autor
 

 

 

Midi: Adágio - Gheorghe Zamfir