Ivan Jubert Guimarães
04.01.2007



O amor é a palavra mais usada pelo poeta em sua poesia,
É como se fosse um campo cheio de flores silvestres;
Onde cada flor representasse felicidade, paixão, alegria,
E nesta arte do amor o poeta é um grande mestre.
 


No entanto, para muitos, ele é apenas um homem leviano,
Na verdade, na escuridão do mundo ele é apenas o lume,
Que acende as chamas dos corações fechados no cotidiano;
E faz isso a cada verso, a cada estrofe como é seu costume.
 


O poeta é um sujeito que nasce livre para poder amar,
Mas muitas vezes é tolhido em sua arte e composições;
Pois não pode amar livremente sendo obrigado a se calar,
Então ele se retrai e passa a reprimir suas emoções.
 


E é quando o poeta, esse maldito, se afasta de sua origem,
A vida da gente parece caminhar para um abismo profundo;
E nos vemos cercados por monstros e coisas que nos afligem,
Que mal há meu Deus exaltar o amor neste Teu mundo?
 


O poeta é sempre claro e sincero naquilo que escreve ou diz;
Por onde passa sua luz ilumina as vielas mais escuras,
Por que, então, ele não pode espalhar o amor e ser feliz?
Por que as mulheres que recebem seus versos são impuras?
 


São apenas versos de cujas rimas quase ninguém se esquiva;
Mas as pessoas não entendem assim e sentem-se temerosas,
Como se a poesia tivesse que ser de uma exclusividade viva,
E o poeta, esse safado, parece ter apenas atitudes criminosas.
 


Fazer poesia para a Natureza, para uma mulher, para um amigo,
Mas as palavras singelas viram sempre palavras de sedução;
Gostar dos outros não é crime e por isso não merece castigo,
Pior seria carregar, como muitos, só ódio e inveja no coração.
 


O poeta é aquele que transforma a fome em deliciosos pomos,
Capaz de descrever uma tragédia ou catástrofe sem fazer alarde;
Para isso ele divide suas obras, seus sonetos em variados tomos..
Para que todos entendam sua mensagem antes que seja tarde.
 


A felicidade é coisa rara e ela está cada vez mais escassa,
Então é preciso escrever mais poesia e com muito gosto
A vida é muito curta e quando percebemos, ela vem e passa,
E só notamos a proximidade do fim ao ver as rugas no rosto.
 


A maldade do mundo é que costuma deixar o poeta triste,
Pois ele sempre exalta o belo e toda beleza que sente,
O poeta parece, entretanto, ser o pior vilão que existe,
Mas ninguém toca em seu coração para ver como ele é ardente.
 


O poeta é aquele que diz o que pensa sem demonstrar medo ou pejo,
E que quando escreve poesias ou poemas, ele os escreve a pleno,
Com sensibilidade e olhos agudos sinto poesia em tudo o que vejo,
Gosto muito do sabor de um beijo, mas cuspo o gosto do veneno.
 


No mundo em que vivemos a poesia ainda é uma necessidade;
E o poeta é o homem que tem seu porte nobre e augusto,
Se querem acabar com minha poesia, escreverei com mais vontade,
E farei isso muito melhor, simplesmente porque eu gosto e é justo.



Ivan Jubert Guimarães


Direitos reservados ao autor