Ivan Jubert Guimarães
26/10/2010



Existem coisas que são inesquecíveis,
E ficam para sempre guardadas na memória;
Não importa quanto tempo se passe.
Nem importa que seja sempre a mesma história.


Pois nem poderia ser diferente
Já que sempre fiz as coisas à minha maneira.
E tem sido assim a minha vida inteira.
Sentimentos, nada mais do que sentimentos


Não adianta tentar esquecê-los, pois vieram para ficar.
Sentimentos de amizade, de amor, de saudade.
Isso tudo parece tão fora de moda estar
Coisas guardadas há tanto tempo, envelhecidas


Talvez por isso não possam mais ser esquecidas.
Lamento, mas eu preciso ir agora, deixe-me ir,
Eu não sei, mas acho que não te amo mais como antes.
Deixa que eu siga novos caminhos, preciso partir.


Eu preciso encontrar um novo amor
Não sei aonde, mas seja lá onde for
Perdoa se teu amor já não me basta
Mas não sou dono de meu coração


Ele tem vontade própria, sempre muda de opinião
E minha alma já anda um tanto gasta
Quero ir, lá fora o vento corta como um açoite,
Vou amanhã, pois estás tão linda esta noite!


Estivemos juntos por tantos anos,
Que já nem nos olhávamos mais,
E entre tantos desenganos,
Fomos perdendo a paz.


Tu te lembras das juras que fizemos?
Tais lembranças impedem que eu siga
Ou te esqueceste de tudo o que tivemos?
Pensa se vale a pena que eu prossiga.


Tens ainda tanto encanto, tanta beleza,
Mas enquanto isso o tempo passa
E mesmo afastados tenho certeza,
De que é o amor que nos abraça.



Ivan Jubert Guimarães


Direitos reservados ao autor