Ivan Jubert Guimarães
10/2000


Não sinta medo de amar,
Tampouco de ser amada.
Cuidado, porém, com uma vã aventura,
Não é o amor que te fará impura.


Todos nós temos desejos,
De carinho, de carícias,
De sorrir de felicidade,
Não é, pois sendo escravo,
De uma tal fidelidade,
Que nos faz agir sem malícia,
Sem abraços e sem beijos.


Se a vida está arrumada,
Na quietude de uma rotina,
Que nos prende dentro de casa,
Que nos impede de ir até uma esquina,
Sem antes pedir permissão,
É que algo está errado,
E sem solução.
Enquanto nosso ente amado,
Que um dia nos pôs de lado,
Embora com amor em seu coração.


A lágrima querendo sair,
Um sono querendo sonhar
A garganta no sufoco a gritar,
A vida começando a ruir,
O corpo desejando dormir
A boca desejando beijar.


Satisfaça a tua vontade
Não te atreles tanto a cuidados.
Só querer também é pecado
Que não satisfaz nossa ansiedade.
Não comece dizendo adeus,
Nem fingindo estar em perigo,
Criando problemas ao liberar a libido,
Se tu tens problemas, eu também tenho os meus.


Ivan Jubert Guimarães


Direitos reservados ao autor