Ivan Jubert Guimarães
08/03/2008


Mulher, substantivo feminino, mas nem por isso um objeto.
Mulher, a companheira discreta sempre atenta ao seu homem.
Mulher, a incentivadora, apaziguadora e até mesmo sofredora.
Não é mole não ser mulher em um mundo de machos cruéis;
E mesmo sendo em maior número que eles, desde pequena,
Sofre a perseguição dos pais e de governos, apenas por ser mulher.
E ela sobrevive às humilhações, às obediências, às regras, as leis,
Feitas por aqueles que nunca souberam conhecer uma mulher.
A mulher do Ocidente já conquistou o seu espaço no mundo,
Participa de decisões, faz marchas, faz campanhas, luta.
A mulher hoje não é somente uma dona-de-casa ingênua,
Que passa o dia debruçada no muro com a vizinha; cansou.
E cansada foi à labuta, trabalha fora, fez e faz faculdade.
Mulher quando trabalhava tinha que ser enfermeira ou professora,
Hoje é motorista, é maquinista, é taxista, é médica, é cientista;
Ela é ascensorista, é balconista, advogada, jurista, executiva.
Mulher que é militar, que é astronauta, que joga futebol,
Que apita partidas, que é esportista e como tal é recordista.
Mulher, a beleza viva presente mesmo nas que acham feias;
Mulher faladeira, consoladora, mas paciente que sabe ouvir.
Mulher psicóloga, escritora, criatura divina e perfeita,
Que o homem ainda não aprendeu a admirar como devia.
Mulher, a esposa dedicada e trabalhadora, que chega em casa,
Que busca criança, e ainda tem força para fazer o jantar.
Mulher, capaz de fazer mil coisas ao mesmo tempo,
Que mostra todo seu talento, que põe roupa na lavadora,
Que passa um pano no chão, cuida do cachorro e do passarinho,
Limpa banheiro, faz de tudo com devoção, cuida do ninho.
Vê televisão, afinal ninguém é de ferro, vê novela com emoção.
Dorme cedo e se levanta geralmente antes do homem,
Que quando acorda o café já está pronto, o leite fervido,
Os filhos prontos para irem à escola e aí vai cuidar de si.
Fica por último, e talvez isso seja o que a deixa tão bela.
Mulher, substantivo feminino que nem precisa de plural,
Pois conhecendo-se uma conhece-se todas as outras.
Não é fácil se mulher e mulher não leva vida fácil não.
Mulher, fortaleza delicada, linda e perfumada como a flor.
Mulher, de cujos olhos uma luz luminosa oferece amor.
Mulher que deseja, que anseia por um mundo melhor,
Mulher que corre, que tem pressa de chegar a algum lugar,
Mas tem o dom da espera, o carinho e a ansiedade,
De ver um filho chegar, se for menina, quem sabe? Tomar o seu lugar.
Mulher, fiel escudeira de seu cavaleiro errante,
Mulher que sente as dores do parto para cumprir a sua função.
Dar vida a outro ser, ver um filho nascer, ser mãe, eis a questão.
 


Ivan Jubert Guimarães


Direitos reservados ao autor
 

 

 

Tutorial Carolina and Sensibility