Ivan Jubert Guimarães
29.12.2006

 

 

Eu nunca te perderei de vista,
E isto não é uma simples previsão;
Nem você uma simples conquista,
Você mora em meu coração!

Lembro de quando tudo começou,
Mas o como ainda não entendo,
Sei que foi um fogo ardente que queimou
E que ainda deixa meu peito ardendo.

Não quero pensar que é mera paixão,
Não quero coisas efêmeras, passageiras,
Eu gosto de coisas de longa duração,
Que sejam eternas e verdadeiras.

Temos alguma ligação espiritual,
No caminho em que nos encontramos,
O sentir é verdadeiro nada tem de virtual,
Mas é bom saber para onde vamos.

Temos pela frente toda uma eternidade,
E com certeza teremos nossos momentos,
Um reencontro ou encontro na espiritualidade
Numa comunhão de belos sentimentos.

É na amizade que reside a glória do amor,
Que nenhuma delas sejam levadas pelo vento,
Que as chamas de ambas conservem o calor,
E que não haja espaço para o desalento.

Eu me pergunto com relativa freqüência,
Onde você estará quando não te vejo,
É que não me acostumo com sua ausência,
E sinto muita falta em não receber teu beijo.

Não são os versos que conquistam uma mulher,
Mais do que eles é preciso demonstrar intenções,
Por isso eu sempre lutarei com as armas que tiver,
Para mostrar a você que não vivo só de paixões.

Você, mesmo que queira, não sumirá dos olhos meus,
E mesmo que se dirija para várias direções,
Nunca chegará a hora de dizermos adeus.
E se vier, vou procurá-la em outras dimensões.

Meus versos podem estar caindo num lugar comum,
Talvez o cansaço, mas eles refletem os meus anseios,
E mesmo sabendo que nós dois somos apenas um,
Quero adormecer e sonhar aconchegado em teus seios.
 


Ivan Jubert Guimarães

Direitos reservados ao autor


 

Midi: Hino ao Amor