Ivan Jubert Guimarães
07/02/2016
 


Sentei-me na praia à beira mar.
Sozinho, olhava para o horizonte,
Sentindo imensa vontade de amar
A mulher que imaginava defronte.
 


Sem saber como me dirigir a ela,
Uma carta comecei a escrever
(Meu Deus) que loucura aquela,
Sem papel e lápis, o que fazer?
 


“Amor meu, é tanta minha saudade,
Em ter-te aconchegada nos braços,
Que chega a doer tanta ansiedade,
E meu coração geme de cansaço”.
 


“Estás tão longe e te quero mais perto,
Sentir minhas mãos tocarem as tuas,
Confesso não saber se seria certo,
Mas desejo tocar tuas costas nuas”.
 


“Quero-te muito, preciso tanto de ti;
Mas uma grande distância nos separa,
Que pena, por que não estás aqui?
Tomara que tu venhas, tomara!”
 


“Atende meu chamado, meu apelo,
Vem satisfazer meus desejos,
Vou tratar-te com muito desvelo,
Mas sufocar-te com meus beijos!”
 


“A maré está se aproximando,
Vem logo, apressa-te minha sereia,
Pois a onda do mar está apagando,
A carta que te escrevo na areia!”
 



Ivan Jubert Guimarães

Direitos reservados ao autor

 

 

Midi: Love Letters In The Sand - Instrumental