Ivan Jubert Guimarães
25/11/2011


Cada vez que ouço um belo bolero
Bem tocado e cantado com emoção,
Dançá-lo de rosto colado é tudo o que quero
Corpos colados, coração com coração.


A mão em tua fina e delicada cintura
Aperta-te trazendo-te mais perto de mim,
Tu me olhas com volúpia e doçura
E confesso que nunca me senti assim.


Tu entras em meu corpo por cada poro
E procuro tocar-te de todos os meios,
Tateio teu corpo e nisso me demoro,
Não vendo a hora de afagar teus seios.


A música segue sua sequência ritmada,
E anseio ardentemente pelos beijos teus,
Sinto que estás de fato apaixonada,
E como desejo beijar-te, meu Deus!


Ivan Jubert Guimarães

Direitos reservados ao autor