Ivan Jubert Guimarães
24/11/2006

 

 

    Tivesse eu o talento de um escultor como Rodin, eu esculpiria a mais linda estátua de uma deusa. E não ficaria guardada em nenhum museu,  pois serviria para tornar mais belos os jardins com sua beleza.

    Se soubesse pintar afrescos como Michelangelo fazia, eu desenharia um céu, todo estrelado, e depois colocaria o dedo de Deus apontando para a  rainha das estrelas: você!

   Ah se soubesse compor como Mozart, Chopin, Beethoven, Tchaikovsky, Strauss, Schubert ou Rachmaninoff! Eu iria compor a mais perfeita das sinfonias e cada acorde teria um pedaço de você!

    Da Vinci, Rembrandt, Renoir ou Van Gogh teriam inveja da tela que faria de seu rosto que seria o mais belo retrato pintado por um artista.

    Se soubesse fazer sonetos como Vinicius fazia, a ti eu cantaria como nenhum outro poeta faria.

    Ah o que a falta de talento nos impede de fazer, tudo que eu consegui fazer para ti foi uma primeira poesia, nunca entregue, e lá se vão mais de 40 anos.

    Tivesse eu o talento de um simples Gabriel, nome de anjo num homem comum, que acompanhado apenas de uma única mulher, conseguiu o que nenhum dos mestres acima sequer imaginou: criar a mais linda criatura com apenas uma gotinha de amor.


 

 

Ivan Jubert Guimarães


Direitos reservados ao autor