Ok !!! Atendendo a pedidos os capítulos serão de graça...
 
Capitulo 28
 
 
 
 Alguns dias se passaram desde a morte de Ambrósio. Adenaíra vinha-se  recuperando da infecção hospitalar. Bruno a levara para sua casa e a  era amigável. A moça se esforçava para transformar aquele apartamento de solteiro em um lar, e o rapaz gostava de sua companhia.
  Mas não conseguia esquecer Jeitosinha e ainda sentia um, digamos, "vazio por dentro", se é que você me entende...
  Como era de se esperar, os exames periciais confirmaram que se tratava da letra de Ambrósio no bilhete. Provaram também que as digitais eram mesmo de Arlindo. Impotente diante da armadilha armada pela irmã, e diante das péssimas condições da carceragem, o rapaz simplesmente enlouqueceu.
  Na casa de Jeitosinha todos se esforçavam para retomar as rotinas de suas vidas. Adenaíra escrevera, contando da operação e de como estava feliz em sua nova condição. Omitira, entretanto, que era hóspede de Bruno. No bordel de Madame Mary, Jeitosinha buscava superar a perda de seu amado nos braços de Laura Croft.
  O treinamento da loira continuava. Na penumbra de seu escritório, a cafetina continuava instruindo Jeitosinha sobre os mistérios do amor e do sexo, mas ainda eram apenas aulas teóricas, o que já estava deixando nossa heroína impaciente.
  - Às vezes sinto que a senhora, deliberadamente, está adiando minha estréia profissional - questionou um dia Jeitosinha.
  Pela primeira vez, a sempre segura Madame Mary pareceu incomodada.
  - Que bobagem, querida... Já lhe disse, tenho uma imagem a zelar... Tudo virá a seu tempo.
  Jeitosinha vinha se abrindo cada vez mais com a patroa. Chegou a confessar o atentado com a serra-elétrica, o plano que incriminou Arlindo e o desejo de se vingar da mãe. Madame Mary a tudo ouvia, sem emitir qualquer opinião.
  Naquela tarde, entretanto, encontrou Jeitosinha mais fragilizada do que
  de costume.
  - O que houve, criança? - Perguntou a cafetina.
  - Não sei o que está havendo comigo, Madame Mary... - Disse a loira, com a voz embargada - Talvez seja a falta de Bruno, ou o remorso por ter tirado a vida de meu pai... Mas o fato é que estou fraquejando. Começo a achar que talvez mamãe não seja assim tão culpada pelo meu destino.
  Talvez seja a maior das vítimas, preservando um segredo por tantos anos  apenas para poupar a todos da ira de Ambrósio.
  - O que você quer dizer com isso? - perguntou Mary.
  - Quero dizer que estou cansada de ódio e sofrimento. Vou buscar minha felicidade. E começarei procurando mamãe e dizendo que a perdôo...
  - Não creio que você precise procura-la... - disse Madame Mary, num tom de voz bastante familiar.
  A mulher aproximou-se do fraco abajur que iluminava o escritório. Com lágrimas banhando o rosto, retirou sua máscara...
  - Mamãe? É você! Não pode ser!
  - Claro que sou eu, querida... Você acha que com o salário de contínuo do seu pai conseguiríamos criar sete filhos e ainda comprar pra você a coleção completa da Barbie?
  - Então é por isso que o meu treinamento nunca terminou! Você não queria prostituir a própria filha!
  - Sim... Este foi apenas um dos muitos sacrifícios que fiz por você. Fui eu quem joguei fora os restos mortais de Ambrósio e limpei a bagunça da sala...
  O telefonema e o bilhete falando da pescaria também foram invenções minhas.
  - Então... Papai realmente havia morrido? - espantou-se.
  - Sim! Só não me pergunte como ele voltou à vida. Talvez tenha sido um milagre dos céus para poupa-la, Jeitosinha. Você já havia sofrido demais,
  e aquele plano da serra-elétrica era simplesmente ridículo... Você deixou suas digitais espalhadas pela casa inteira! O segundo crime foi muito mais requintado, e ainda puniu o chantagista do Arlindo!
  Jeitosinha abraçou a mãe, emocionada (Imagine uma música melosa, executada por um naipe de violinos...). Finalmente, quase tudo parecia se encaixar.
  Era um novo tempo de recomeço. De repente Jeitosinha percebeu que o bordel nunca fora seu lugar. O que de fato a atraía era o magnetismo de Madame Mary, que não era ninguém menos que Marilena.
  Não fosse a saudade que sentia de Bruno, tudo estaria perfeito em sua vida.
  No final daquela tarde, Jeitosinha se despediu das colegas de bordel.
  - Vou tirar um tempo para mim. Preciso repensar minha vida... Talvez volte a esta casa como auxiliar de mamãe, não sei... O importante é que fiz muitos amigos aqui...
  Laura Croft chorava copiosamente.
  - Está tudo acabado entre nós?
  - Sim, Laura... Não adianta. Bruno é o meu único amor. Preciso esquecê-lo antes de poder recomeçar com outra pessoa...
  Laura pareceu entender. Tanto que deu a Jeitosinha um conselho bem prático:
  - Se você o ama tanto, porque não tenta uma reaproximação? Tudo bem, ele pensa que você é uma de nós, mas você, em contrapartida, flagrou-o nos braços da Kátia Trovoada...
  Kátia, o traveco moreno que possuiu Bruno, espantou-se:
  - Aquele era o seu bofe? Ih, menina... Você está sofrendo a toa...
  - Como assim? - surpreendeu-se Jeitosinha.
  E Kátia começou a narrar o diálogo que ela e Bruno tiveram antes do ato de amor... .
  Finalmente está acabando! Não percam amanhã o último capítulo...
 

SEGUE O FINAL DA SAGA ... NÃO SE EMOCIONEM MUITO ...