A novela está chegando ao seu final ... penúltima semana da Jeitosinha ...
segue o de hoje ...
 
Capitulo 24
 
Ele morreu?
 
 
A detective Joana sentou-se no sofá que outrora estivera coberto pelo   sangue de Ambrósio. Acendeu um cigarro e cruzou lentamente as pernas,   numa cena que lembrava Sharon Stone em "Instinto Selvagem".
  - Creio que você chegou tarde... - apressou-se a explicar Marilena. Meu   marido já voltou.
  - Ele é o Ambrósio? - Espantou-se Joana, sem conseguir esconder sua   expressão de asco - E o que... ou quem fez isso a ele?
  - Ainda não sabemos - disse Arlindo.
  - Com certeza foi algum acidente... - emendou Jeitosinha, um pouco nervosa.
  A experiente Joana percebeu o ambiente pesado do lar. "Aqui, com certeza,   se escondem grandes segredos", pensou. Fascinada por seu ofício, naquele   momento a bela detective soube que não teria sossego enquanto não  desvendasse cada detalhe do que já chamava de "Caso Ambrósio".
  - Conte-me, meu bom homem. Quem o feriu?
  Ambrósio tremeu à simples lembrança de fragmentos da cena, que ele nem  sequer conseguia verbalizar.
  - N-não me lembro. Não quero saber. Eu estou bem.
  A mulher tocou Ambrósio carinhosamente.
  - Procure se lembrar... Estas marcas... Foi, sem dúvida, uma arma  cortante. Talvez uma lâmina grossa... Uma serra...
  - Não! - Ambrósio encolheu-se, em pânico, protegendo a cabeça com as  mãos...
  Jeitosinha sentiu um arrepio na espinha. E se o pai recobrasse a memória?
  A detective Joana continuou seu trabalho. - Procure se lembrar... Uma  pessoa, uma imagem...
  Ambrósio subitamente silenciou-se. Com os olhos fixos na linda policial  exclamou baixinho:
  - Sim... Eu me lembro de algo. Sim!
  - O quê? O quê? - A excitação de Joana era quase sexual.
  - Foi ela! Foi ela! - gritou, apontando para Jeitosinha.
  - É mentira! - Gritou Jeitosinha.
  - "Cale-se! Deixe o homem concluir seu relato!" - disse a detective.
E  voltando-se para Ambrósio:
  - Diga, senhor... Ela fez isso com você. E depois?
  - Depois homens verdes, numa nave espacial me trouxeram de volta à vida!
  A policial sorriu, constrangida, e abraçou o fragilizado Ambrósio.
  - Homens verdes? É uma alucinação, sem dúvida... Por hoje é só. Mas me  aguardem. Vou continuar as investigações.
  Jeitosinha sentiu-se mais leve. Marilena e Arlindo olharam para o pai e  para a loira, com expressões indecifráveis. 
 
  Longe dali, a primeira coisa que Bruno viu foi uma luz branca e intensa.
  O rosto de Jeitosinha sorria para ele, emoldurada por centenas de biláus  de todos os tamanhos e formas. - Estou no paraíso! - sussurrou.
  Mas o delírio foi interrompido pela penetração contundente de uma agulha  de injecção. De olhos abertos, o confuso rapaz viu um homem de roupa  alva, parado ao lado da cama de hospital onde estava deitado.
  - Você nasceu de novo, filho. A bala acertou de raspão a sua fronte.
  - O-onde estou?
  - No ambulatório de um hospital público.
  Bruno percorreu o lugar com os olhos e não acreditou no que viu. Com uma  touca cobrindo os cabelos, adormecida na cama ao lado, encontrava-se  ninguém menos que sua amada.
  - Jeitosinha! - Exclamou.
  - Só se for nome de guerra... - corrigiu o médico - Ele chegou aqui como Roberto e agora é Adenaíra...
  - Adenaíra? - espantou-se.
  - Sim... Ele submeteu-se ontem a uma cirurgia para mudança de sexo. Mas talvez nunca aproveite sua nova anatomia...
  - "Porquê doutor? Porquê doutor?" - O homem tomou um longo fôlego antes de explicar a Bruno o drama do ex-irmão, agora irmã, de Jeitosinha.
 

  Gente, já pensou isso no cinema, com a Cameron Diaz de Jeitosinha?   Mais emoções amanhã !