Capítulo II
 
 
O Despertar de Adenaíra
 
 

 Quando enfim Adenaíra abriu os seus olhos, ainda com vista embaçada, ela viu alguns seres estranhos. Instintivamente ela tentou passar as mãos nos olhos e sentiu que ainda estava amarrada. Piscou algumas vezes até que sua visão se normalizasse e ao enxergar bem as criaturas a seu lado, debateu-se na maca e seus olhos expressavam muito terror. De sua garganta saia grunhidos que pareciam aos de uma fera ferida.
 
 Seus olhos pareciam suplicar para que fosse solta, mas os estranhos seres acabaram por sair da sala.
 
 Adenaíra começou a rezar pedindo perdão por seus pecados, por ter transformado Jeitosinha em prostituta, por odiar seu pai e seus irmãos. Mas continuava presa. A cada esforço para se libertar, ela ficava cada vez mais cansada e seus braços doíam, a respiração era difícil com a boca amordaçada.
Ela tornou a se lembrar da luz e achou que estivesse morta e pagando pelos seus pecados. E se já estava morta, para que medo? Então, ela decidiu seguir os conselhos de uma política brasileira: relaxar e gozar.
 
 Pouco depois se acalmar dois seres entraram na sala, desamarram cuidadosamente Adenaíra e começaram a explorar seu corpo nu.
 
 Aqueles que pareciam ser médicos ficaram impressionados com a anatomia do corpo de Adenaíra. Começaram o exame pela sua cabeça e sua vasta cabeleira loira ficou na mão de um deles. Era uma peruca, mas eles não nunca tinham visto e, portanto, não sabiam o que era aquilo. Por baixo daquela cabeleira viram cabelos castanhos, curtos e crespos. Indignados com aquela transformação deram a Adenaíra um espelho para que ela se olhasse. Ela se achou lindo!
 
 Examinaram sua dentição, pescoço, colo e chegaram onde deveria haver um par de seios. Mas não tinha. Ao contrário de Jeitosinha, Adenair, ou melhor, Adenaíra, mão desenvolvera os peitos.
 
 Os examinadores foram apalpando o corpo de Adenaíra que não conseguia evitar sua excitação, até que chegaram às suas partes íntimas.
Primeiro aqueles seres tocaram-na em seu sexo e acharam algo meio estranho, pois o sexo de Adenaíra era na posição horizontal e não na vertical como esperavam aqueles seres. Apesar dos toques lhe causarem certo prazer, Adenaíra ficou horrorizada com aquilo, mas deixou pra lá, afinal de contas ela decidira relaxar e gozar.
 
 Quando os seres tocaram-na mais fundo, ela deu um gemido e os examinadores, então, acharam que desta vez tinham acertado. Aquele corpo era, de fato, o corpo de uma mulher.
 
 Saíram da sala, deixando Adenaíra solta e sozinha na sala e foram conversar com o comandante.
 
 Adenaíra aproveitou sua liberdade, pegou o espelho e foi examinar seu sexo. Ao ver sua imagem refletida no espelho, ela gritou: Imbecis!
 
 O que será que Adenaíra confirmou?
 
 Não percam o próximo capítulo!