Capítulo  X
 
 
De Volta Ao País Tropical
 
 
 Bem, vamos primeiro para São Paulo e lá deixaremos essa menina ou seja lá o que ela for.
 
 A nave sobrevoava a cidade e na altura em que estava era impossível observá-la. Só mesmo os radares de aeroportos ou aviões poderiam detectá-la.
 
 Para fugir dos radares foram baixando e viram que estavam sobre o estádio do Morumbi, em dia de jogo. O comandante deu ordens para pousar já que tinha ouvido falar que aquele estádio só enchia em dias de shows.
  
 Pousaram levemente sobre o estádio e o disco pareceu ser uma cobertura metálica. As luzes do estádio nem precisaram ser acesas, pois a luz que saia da nave era muito forte.
 
 Somente dois dos torcedores presentes viram o disco e um comentou com o outro:
 - Olha lá Robertinho que beleza, já cobriram o Morumbi e veja como ficou brilhante! Que luxo!
 
 - Deixa de ser boba, você não está vendo que aquilo é um disco voador?
 
 - Ai Robertinho, você acredita em disco voador?
 
 - E você não o viu descendo?
 
 - Vi, mas pensei que fosse um helicóptero colocando a cobertura do estádio. Será que vão nos abduzir?
 
 - Sei lá, mas por via das dúvidas vamos ficar juntinhos, se um for, o outro também vai.
 
 Subitamente o disco parte do estádio numa velocidade impressionante e o amigo de Robertinho murmura: - E o vento levou!
 
 A nave dirigiu-se a outro ponto e foi pousar no autódromo de Interlagos que estava vazio e ninguém poderia ver o disco. O comandante deu a ordem para que sua equipe se dividisse e fosse fazer um reconhecimento na cidade logo que o dia amanhecesse.
 
 Na Terra para se locomoverem os ETs levitavam e desapareciam e como num passe de mágica chegavam rapidamente ao seu destino.
 
Coube a K7 e outro ET irem ao centro da cidade. Chegaram lá bem cedo e se dirigiram para a estação Sé do metrô. Não compraram bilhetes e foram descendo as escadas e pareciam invisíveis, já que ninguém olhava para eles, afinal os paulistanos estão sempre com pressa e nunca olham ao seu redor.
 
 Chegaram à plataforma de embarque e desembarque e quando o trem parou e as portas se abriram, foi como se tivesse estourado uma boiada. Foi tanta gente correndo que os ETs foram atropelados. Ainda estavam se levantando quando outro trem chegou e outra multidão corria para entrar nos vagões. Desta vez, os ETs também acabaram embarcando , levados que foram por aquela gente toda.
 
 Dentro do trem era um empurra-empurra que eles eram espremidos de todas as formas. E o mais estranho é que ninguém prestou atenção neles.
 
 Eles viram muitas mulheres no metrô e muitas delas eram lindas e K7 achou que o comandante iria gostar da notícia. Só uma coisa o preocupava.
 
 Qual era a preocupação de K7? Vejam no próximo capítulo!