Ivan Jubert Guimarães
Dezembro de 1986
 


É Natal ! Bem, pelo menos é o que marca o calendário.
Confesso não me lembrar de outros Natais como este. Não vejo nos rostos das pessoas aquele ar de felicidade, ou até mesmo de tristeza, como ocorre nesta época do ano.
Eu esperava mais do Natal do Cruzado. Mas o que tenho visto é uma sede de consumo indiscriminado. Pessoas comprando e estocando de tudo, colaborando ainda mais para aumentar a fome e a pobreza deste país. Pessoas com 50 k de açúcar, 10 k de sal, caixas de leite e tanta coisa mais nas prateleiras de suas casas. É um desespero e uma avareza irritante.
Nas empresas não existe mais aquele clima de euforia contagiante. O Natal está sendo encarado apenas como mais um feriado.
Nas lojas, o corre-corre com uma disputa ferrenha por uma boneca, por um carrinho, uma camisa ou qualquer outra coisa.
Onde está o Natal?
Alguns ainda falam que detestam esta época do ano e nem respeitam aquelas que ainda curtem o Natal. Mas, o que é curtir o Natal?
Curtir o Natal é ter aquela preocupação em encontrar o presente certo para aqueles de quem gostamos. Curtir o Natal, é armar a árvore de Natal. É enfeitar a casa, fazer suspense com as crianças, é se fantasiar de Papai Noel. É o desejo de pelo menos nesta época do ano, ajudar os mais necessitados. É pelo menos por um minuto pensar um pouco em Deus.
Não fosse pelos enfeites de minha casa e pelos olhinhos ansiosos de meus filhos; não fosse ver meu filho implorando uma carona, só de ida, para poder ir comprar um presente pro nosso cachorro (coitado, nem sabe que existe Natal); não fosse a todo o momento ouvi-los perguntando: “Pai, quantos dias faltam para o Natal?”; não fosse por tudo isto, talvez eu nem soubesse que estamos no Natal.
Num ano em que dei tantas cabeçadas, onde vi minhas forças e meu entusiasmo irem minguando; num ano em que senti o abandono daqueles que se diziam amigos; num ano em que a frustração e a amargura me tomaram quase que por inteiro; mesmo num ano ruim como foi para mim este ano de 1986, o espírito de Natal foi mais forte e na minha casa tem luzinhas coloridas acesas; tem uma linda árvore de Natal. Tem presentes embaixo dela, comprados com muito sacrifício este ano.
Nem sei o que teremos para a ceia à luz de velas como todos os anos. Não se acha nada! Mas, o mais importante, é que eu e minha família iremos comemorar este Natal juntos, com alegria, com amor, com fé.
Mensagem final: De coração, um Feliz Natal pra você !


 


Ivan Jubert Guimarães


Direitos reservados ao autor