Ivan Jubert Guimarães

23/11/1982

 

 

 

Tristeza na Fio de Ouro, tristeza na Vai-Vai.


O Bexiga mudou. Cadê as cadeiras nas calçadas e os velhos de chapéus e camisetas furadas, jogando palito ou dominó dentro dos bares?


Onde estão os seresteiros e os sambistas do cotidiano?


Cadê as rodas de samba e o batuque nas garrafas de cerveja?


E se vocês não estão lembrados, dá licença de contar.


Aqui onde agora estão estes edifícios altos, era um monte de casas velhas e palacetes assobradados, em ruas estreitas onde Adoniran desfilava o seu samba triste com alegria. Os velhos casarões foram se transformando em pensões para rapazes e moças de fino trato. Muitos foram derrubados ou transformados em cantinas e teatros.


E se o Bexiga há muito perdeu sua poesia, perde agora seu maior poeta. Leva a saudade do Joca, da Iracema, da Pafunça, das Mariposas. Quem sabe lá de cima, a gente não vai ouvir um último samba, agora de parceria com Vinicius e Cartola na saudosa voz de Elis?


O Bexiga murchou. Vá embora Adoniran, agora mais do que nunca ele vai se chamar Bela Vista. Vá depressa velho. Afinal sua mãe não dorme enquanto você não chegar. Não foi o trem das onze que o levou. Foi o trem fantasma, aquele que não tem dia nem hora para chegar, mas que sempre atrasa para os incautos e pobres de espírito, e que vem sempre muito adiantado para levar em viagem aqueles de quem gostamos.
 

 

Ivan Jubert Guimarães

 

Direitos reservados ao autor

 

 

Midi: Saudosa Maloca - instrumental