Ivan Jubert Guimarães
04/03/2018
 

 

As portas do Teatro Municipal do Rio de Janeiro abriram para a última apresentação da maior atriz dos palcos brasileiros: Tônia Carrero!

Tônia não foi uma pessoa comum, dessas que alcançam o sucesso pela beleza das pernas e um rostinho bonito. Poucas atrizes conquistaram o título de Diva do teatro, do cinema e da televisão brasileira como Tônia Carrero.

Nunca assisti a uma peça em que ela participou, mas vi alguns de seus filmes e assisti também sua estreia na televisão na novela Sangue do Meu Sangue, na extinta TV Excelsior.

Para mim, poeta que sabe ver a beleza nas mulheres, e reconhece que beleza é um atributo de muitas mulheres, mas essa beleza é relativa, todas são belas, umas mais, outras menos. Tônia é uma rara exceção, sua beleza é absoluta, sempre foi bela.

Tônia foi também uma guerreira e muito corajosa. Em pleno ano de 1968, para muitos um ano que ainda não acabou em plena vigência do Ato Institucional nº 5, a mais dura manifestação política do Golpe Militar de 1964,
aconteceu, no Rio de Janeiro a passeata dos cem mil, e quem estava à frente do movimento, de mãos dadas, umas com as outras, eram Eva Todor, Tônia Carrero, Eva Wilma, Leila Diniz, Odete Lara e Norma Benguell, todas vestidas com suas roupas normais, algumas carregando até suas bolsas, bem diferente das manifestações mais recentes. Dessas companheiras de luta e talento, somente Eva Wilma ainda vive

Termino aqui dizendo que não fiz uma homenagem à atriz Tônia Carrero, mas quis render minha homenagem a uma grande mulher brasileira!


 

Ivan Jubert Guimarães

Direitos reservados ao autor

 

 

Midi: Luzes da Ribalta - Instrumental