Ivan Jubert Guimarães

04/12/2017
 

 

Existem pessoas com as quais a gente não tem nenhum contato e só as vemos em fotografias nas revistas ou entrevistas e reportagens na televisão.

Sempre cultivei uma enorme simpatia por uma mulher que eu sabia que jamais iria conhecer, uma mulher com muito carisma e elegância e muito bonita.

Carmen nasceu na mesma cidade em que eu nasci, Pirajuí no interior de São Paulo e mais tarde radicou-se no Rio de Janeiro que com sua presença ficou ainda mais maravilhosa.

Carmen Mayrink Veiga partiu enquanto dormia, privilégio que poucas pessoas desfrutam. O tempo não tirou sua elegância, mesmo quando passou a se locomover em cadeira de rodas.

Dizem que ela foi um ícone da elegância e eu concordo com isso, embora nunca tenha acompanhado as colunas sociais dos jornais. Carmen sempre esteve acima disso tudo.

O Brasil fica mais deselegante com a partida de Carmen, mas o céu ficará muito mais bonito.
 

 

 

Ivan Jubert Guimarães

Direitos reservados ao autor

 

 

Midi: Mulher - Emílio Santiago