Ivan Jubert Guimarães
02.06.2006
 


E o Presidente chorou! De novo foi às lágrimas!
Segundo a Folha de São Paulo, ele afirmou que em nenhum momento dessa crise que assola o país ele se abalou, mas chorou.
"Em nenhum momento vocês me viram abalado. Mas sou um chorão de nascença. Chorei no TSE quando fui diplomado, chorei na Avenida Paulista, chorei na campanha, chorei até em novela".


Disse que é um chorão de nascença e pela sua frase acima, sou forçado a acreditar nele, embora entenda sua emoção. Chorar ao ser diplomado no TSE deve ter sido de fato uma das maiores emoções de sua vida. Afinal de contas deve ser o único diploma que tem na vida. Mas ele também chorou na Avenida Paulista e aí eu não entendi muito bem porque e em qual situação, ele não foi tão preciso nisso. Terá sido na passeata contra a corrupção? Onde apenas três mil descontentes se manifestaram num país de quase 200 milhões? Se for por isso, eu também chorei. Mas chorei por não ter ido. Ou terá chorado nosso querido Presidente durante passeata do orgulho gay? E não estou insinuando nada, Tem gente que chora por qualquer coisa! Disse que chorou na campanha e eu pergunto em qual delas, pois desde que ouvi seu nome pela primeira vez, esse homem está em campanha. Já o vi abraçado com políticos a quem chama de ladrão posteriormente. Mas também já o vi abraçado com políticos a quem já tinha chamado de ladrão, só que anteriormente. É, nosso Presidente tem motivos para ser chorão.


O Presidente assiste novelas! E chora nelas! Qual terá sido aquela que mais emocionou nosso líder chorão? Bang-Bang acabou na telinha, mas continua pelas ruas das grandes cidades. Talvez nosso Presidente chore nos capítulos finais, quando os personagens malvados começam a ser punidos! Nas novelas quase sempre tudo acaba bem, alguns criminosos são punidos e pode ser que o Presidente chore por medo de que a vida imite a arte.


Pelo que entendi das palavras do próprio Presidente, nenhuma das lágrimas que ele derramou foi de remorso ou arrependimento. Mas não precisa chorar não presidente, desculpe pelo “p” minúsculo agora, sua reeleição já está praticamente garantida. Já está mais do que provado que o povo gosta de sofrer. O sofrimento faz parte da evolução. As religiões sempre pregaram o sofrimento e o povo obedece quase sempre. Não precisava ser assim. Mas a História já mostrou isso ao rolar dos últimos dois mil anos. Alguns dos grandes líderes mundiais foram mortos por gente do povo, pois o povo também sempre gostou de ser enganado. Na vida real, quem morre são os mocinhos! O panorama sempre foi esse e não vai mudar! Muito pelo contrário, vai piorar bastante! Muito mesmo! É só a gente olhar o que está acontecendo por aqui.
E o mal parece que vai vencer ainda no primeiro turno. Sempre ouvi dizer que em time que está ganhando não se mexe. Mas o presidente está em busca de um novo vice que, pasmem, pode ser Quércia. Os dois foram vistos ontem, sorridentes, aliás, todo político sempre aparece sorrindo nas fotos, até quando diz que é chorão. Haja bolso! Haja bolsa! Haja saco!


Parece que teremos que engolir mais quatro anos, que poderão se multiplicar bastante se nada fizermos! Nossos representantes, coniventes, apenas desfrutam dos prazeres que o poder proporciona. E se calam, pois ficamos calados também. E a coisa vai assim, vamos aceitando a roubalheira, o desmando, porque no fundo, no fundo, somos todos iguais. Sempre se ouviu dizer que somos contra a corrupção só porque não fazemos parte dela. Nunca ouviram isso? Ledo engano! Sempre fizemos parte dela sim, alguns de nós como vítimas. Aliás, dizem por aí que o Conto do Vigário só existe porque a vítima é desonesta!


Minha esperança é, embora as pesquisas apontem um resultado, que o povo tenha se cansado der ser enganado e que tenha passado a enganar. Somos todos iguais, lembra?

 


Ivan Jubert Guimarães


Direitos reservados ao autor