Ivan Jubert Guimarães

08/03/2007

 

 

Foram raras as vezes em que eu cumprimentei alguma mulher no dia internacional consagrado a elas. A privilegiada sempre foi minha filha que me cobrava essa atenção.


Eu sempre fui contra a instituição desse dia, porque acho discriminatório contra a mulher, além de ser mais uma das bobagens perpetuadas pela ONU e onde a ONU se mete eu caio fora. Inveja talvez, vocês dirão. Pode ser, eu confesso que adoraria ser convidado a ser um embaixador da ONU só pelo prazer de recusar.
Mas o assunto é mulher e, para um poeta, não existe coisa mais fácil do que falar de mulher, assunto preferido dele.


Falar da beleza, do charme, do perfume, apesar de belo chega a ser banal. Falar da grandeza da mulher já é mais difícil, pois a diferença de tamanho entre ela e nós os homens é brutal. Como somos pequenos diante delas. Brincamos muito com a quantidade maior de neurônios que nós temos em relação a elas, mas , na verdade, a prática tem demonstrado que isso não tem feito a menor diferença.


Mulher é muito bom. Eu tenho uma só pra mim. Ela me empurra quando estou devagar, me puxa quando fico para trás, me levanta quando estou caído; parece que os papéis foram invertidos.


Não existe no mundo coisa mais perfeita do que uma mulher e nós, os homens, não podemos viver sem elas. Ter o companheirismo de uma mulher do lado é ter apoio nas decisões, certas ou erradas que a gente toma. Se for certa ela aplaude e faz planos, se for errada, ela diz que a gente parte para outra. O importante é sempre tentar.
Não existem mais Amélias? Você que pensa, embora a maior parte das mulheres de hoje sai à luta. Passar fome, não é coisa para mulher, talvez para modelo, mas não para mulher.


Carregar um filho dentro do ventre e amá-lo antes mesmo dele nascer, é só para quem tem muita nobreza no coração. Sentir as dores do parto, usar de toda força para por o bebê no mundo e ainda conseguir sorrir ao ouvir o choro dele e querer pegá-lo nos braços imediatamente é coisa de quem tem muito amor e muita força.
Mulher cuja aura é repleta de luz, só mesmo tu para trazeres ao mundo um menino chamado Jesus!

 

 

Ivan Jubert Guimarães

 

Direitos reservados ao autor