Ivan Jubert Guimarães



Minha mãe é daquelas pessoas que têm em seu quarto imagens de Nossa Senhora, tem quadro de Cristo na parede e até uma fotografia do papa João Paulo II.
Ela assiste missa na televisão todos os dias e acompanha a missa com seus olhinhos fechados. É o momento em que ela pode descansar um pouco e fazer alguma reflexão de sua vida. Eu respeito muito esse seu momento, pois do alto de seus 82 anos, quase 83, ela não tem muito com quem conversar.
Ela ainda não se entusiasmou com esse papa, mas aguarda sua visita com muita ansiedade, procurando ver e ler todas as notícias sobre essa visita.
Estou indeciso em convidá-la para ver a passagem do papa em algum lugar, creio que seria um grande momento para ela. Talvez eu me dispa um pouco do preconceito e da ostentação que o papa provoca em mim e a leve para pelo menos vê-lo passar por uma de nossas avenidas.
Talvez este seja o presente que ela queira ganhar do dia das mães e, se for para agradá-la, qualquer sacrifício é válido. É, está resolvido, vou levar minha mãe para ver o papa. Não sei onde, mas talvez ele passe aqui pertinho de casa, sei lá. Mas ela vai ver o papa de perto sim.
Para ela a figura do papa é a de mensageiro de Deus, seu legítimo representante aqui na terra e que direito tenho eu de destruir essa ilusão? Faz bem a ela, sua emoção vem à tona e talvez lá no fundo de seu coração seja o que mais ela deseje.
Com certeza haverá uma energia muito grande por onde o papa passar e acho que minha mãe merece receber um pouco dessa energia. Ela já anda meio fraquinha! E sofreu bastante vendo seu único filho tratar de problemas do coração e depois de um câncer. Ela tinha medo até de perguntar e ia para seu quarto fazer suas orações. E eu nem agradeci a ela por isso!
É estranho que quando se começa a falar da mãe da gente sempre aparecem umas pontinhas de remorso aqui e ali pelo que dissemos e pelo que deixamos de dizer. Por que tem que ser assim? O que me impede de demonstrar meu carinho a ela diariamente? Orgulho? Vergonha? Mas como um homem de quase 60 anos pode ter vergonha de dizer à sua própria mãe que ele a ama? Logo eu que vivo repetindo isso para tanta gente!
A hora da mudança chegou: EU TE AMO MAMÃE E VOU TE LEVAR PARA VER O PAPA!
Agora só preciso dizer isso a ela!
 


Ivan Jubert Guimarães


Direitos reservados ao autor