Ivan Jubert Guimarães
03.07.2006
 


Hoje eu amanheci o dia cantarolando Carolina de Chico Buarque. Tenho dias assim em minha vida! Mas hoje, especialmente, Carolina não me sai da cabeça. E me lembro de tantas pessoas, e às vezes de mim mesmo, que deixam coisas tão boas e tão belas passarem por suas vidas, sem que elas se dêem conta.


A letra de Chico insiste em mostrar a beleza da vida pela janela, mas Carolina prefere não ver. E muitas vezes, nós não queremos ver a beleza do mundo, preferindo, ao invés disso, ficar olhando nosso sofrimento que é motivado por nosso próprio egoísmo. Eu não quero ver o que você tem para me mostrar, eu quero olhar para eu mesmo, ver o que os outros estão fazendo para mim, ouvir os que os outros estão falando de mim.


Ah quantas Carolinas têm neste mundo! Quanta gente prefere guardar a dor em seus olhos fundos. Tanta gente que se fecha dentro de si mesma e não percebe a beleza da vida de uma rosa nascer.
Ás vezes dá a impressão de que a culpa de nosso sofrimento não é da gente mesmo. É tão fácil colocar a culpa de nossa dor nos outros! Até mesmo quando um ente querido morre, nós culpamos o morto quando gritamos a ele o porquê dele ter nos deixado. Ah como somos egoístas! Como perdemos tempo em nossas vidas por causa da nossa vaidade, do nosso orgulho. Como ficamos olhando só para nós mesmos e não vemos o tempo passar pela nossa janela. Olha que lindo!
 


Ivan Jubert Guimarães


Direitos reservados ao autor