Ivan Jubert Guimarães
26/03/2007
 



Há quanto tempo você não olha para a lua? Por acaso sabe em fase ela está agora? São quatro, lembra-se? Olhe para o céu ao anoitecer e descubra, embora seja bem mais fácil olhar no calendário. Não sei por que, mas parece que as pessoas têm medo de olhar para cima.


Sei que quem mora em uma cidade como São Paulo, como eu, tem dificuldades de observar a lua e principalmente as estrelas. Mas quando a noite está bonita, eu não me canso de admirá-las.


Quem me conhece bem sabe que tenho uma fobia de avião, mas se tem uma coisa que eu adoraria fazer seria uma viagem espacial e juro que não teria medo nenhum. Nem me perguntem o porquê. Eu não saberia responder.


Eu me lembro que no dia em que Armstrong pisou na lua eu escrevi talvez a minha mais linda poesia e dei o nome de Ainda Restam as Estrelas, mas também a batizei de Apollo XI. Acho que é assim que ela está em meu site, em um dos cadernos poéticos.


Eu não sei quase nada sobre a lua, sei que influencia as marés dos nossos mares, mas nem imagino como isso se dá. O que sei é que não há nada de mais belo que o luar. Aquela luz branca e fria que ilumina nossas noites e parece tirar de nossos corações todas as nódoas, e nos colocar em um estado de graça, de pureza, de amor.


Não é coisa de romantismo não, embora eu reconheça o quanto eu sou um romântico incorrigível. Mas diga-me, você já beijou a mulher de sua vida sob o luar? E você mulher? Já se deixou beijar pelo seu homem numa noite de lua cheia, por exemplo?


As águas de março estão chegando ao fim e o céu se tornará mais límpido e você conseguirá ver a lua quase todas as noites. Se não der para ver enquanto volta do trabalho, para não se distrair no trânsito, ao chegar em casa abra a janela e localize o luar. Tente apagar as luzes de seu ambiente e se entregue àquela magia que você está observando. Deixe-se invadir pela luz e sinta a calam que ela irá te proporcionar. É um grande exercício de relaxamento, você se sentirá mais calmo, relaxado e, no dia seguinte, acordará muito mais disposto do que normalmente ocorre.


Feliz do homem que mora no sertão, em lugares menos habitados, e que pode presenciar todas as noites um espetáculo deslumbrante que o Universo nos oferece todos as noites. Alguém se lembra desses versos? “Não há ó gente ó não, luar como esse do sertão”.


A lua está em quarto crescente nesta semana e na semana que vem será lua cheia. Esqueça dos lobisomens e dos vampiros e saia à rua e tome um grande banho de lua.

 


Ivan Jubert Guimarães


Direitos reservados ao autor