Ivan Jubert Guimarães

15/08/2013

 

 

 

Chovia forte naquela pequena cidade do interior, cercada por montanhas verdejantes e uma linda cachoeira cujas águas formavam um lindo lago bem no meio do vale.
Era comum, naquela época do ano, uma chuva rápida que fazia com que todos se refugiassem em suas casas, pois o trabalho da lavoura era prejudicado, embora a chuva sempre fosse bem vinda.
Naquela tarde, porém, a chuva demorou um pouco mais para passar e Pedrinho ajoelhado no chão de sua casa empurrava um pequeno caminhão de madeira.
Seu pai estava sentado na mesa da cozinha tomando uma caneca de café, enquanto sua mãe começava a preparar o jantar daquela noite.
Assim que a chuva parou, Pedrinho olhou pela janela para ver o arco-íris que sempre aparecia após a chuva. Olhou direto para a cachoeira, mas não viu nada e, então, chamou pelo pai:
- Papai, papai, venha até aqui na janela. O arco-íris sumiu! A chuva passou e nada dele aparecer.
O pai aproximou-se da janela e viu que de fato não tinha arco-íris no céu. Reparou que apesar da chuva ter passado o céu continuava escuro e explicou para Pedrinho:
- Filho, hoje o arco-íris não vai aparecer não.
- Mas por que papai? Ele sempre aparece!
- É que hoje, Pedrinho, o céu continua escuro e talvez volte a chover.
- Mas papai, ainda não é tão tarde e o céu não está assim tão escuro.
- Não está escuro Pedrinho, mas há muitas nuvens e elas estão escondendo a luz do sol.
- Mas o que o sol tem a ver com isso papai?
- Hum, não sei se vou conseguir explicar isso para você meu filho, é um pouco complicado.
- Por que é complicado?
- Preste atenção Pedrinho, na verdade o arco-íris não existe!
- Como assim, não existe? Eu já vi tantas vezes!
- Eu disse que seria complicado. É o seguinte: para que possamos ver o arco-íris é preciso que o sol saia logo depois da chuva. Os raios solares se espalham pelas gotas de chuva e elas irradiam a luz do sol, entendeu?
- Nadinha. Como o arco-íris é colorido se a luz do sol é branca?
- Veja filho, presta atenção: não existe branco e nem preto.
- Pai, primeiro você diz que não existe arco-íris e agora está dizendo que não existe branco e nem preto. Como não existe se eu vejo tudo isso?
- É muito cedo para você compreender essas coisas meu filho, mas vou tentar explicar. O branco é formado por todas as cores. Se você pegar um disco e pintar suas faixas de diversas cores e coloca-lo para girar, a velocidade dele fará com que as cores se misturem e você só consiga ver o branco.
- E o preto, papai?
- Veja meu filho, se o branco é a soma de todas as cores, o preto é a ausência de cor e, portanto, o preto não é uma cor, é a ausência dela.

 

 

- Mas o isso tem a ver com o arco-íris?
- É o seguinte meu filho: quando para de chover o ar ainda fica carregado de gotículas de chuva. A luz do sol atinge essas gotículas e elas difundem a luz formando as cores do arco-íris.
- Quer dizer que as gotinhas são coloridas?
- Não Pedrinho, eu não disse que o branco é a soma de todas as cores? Pois então, a luz do sol é branca e quando ela passa por milhares de gotinhas estas refletem a luz do sol e vão formando as cores que a gente vê no arco-íris.
- Mas papai, você disse que o arco-íris não existe e agora está dizendo que existe, você também vê!
- O que nós vemos Pedrinho é uma ilusão de óptica. Dependendo do lugar onde a gente esteja a gente vê, mas de outro lugar a gente pode não ver. É isso.
- Mas e história do pote de ouro no final do arco-íris?
- Isso é uma lenda Pedrinho, até mesmo porque não se sabe onde é o final do arco-íris. Na cachoeira aqui perto de casa, em dias de sol, sempre tem arco-íris, não é? Isso é porque as gotas de água da cachoeira espirram e a luz do sol se difunde nessas gotas. Quando a gente observa o arco-íris na cachoeira parece que uma ponta dele entra na água, não é?
- É sim.
- Essa ponta é o começo ou o fim do arco-íris?
- Não sei, mas acho que é o começo.
- Você acha isso porque essa ponta está mais perto de você não é?
- É sim.
- Mas agora pense em uma coisa: uma pessoa que estiver do outro lado do arco-íris vai pensar que lá é o começo e aqui na cachoeira é o fim, entendeu?
- Entendi, mas você me confundiu papai. Eu acreditava em tanta coisa e agora descobri que nada existe, nem arco-íris, nem pote de ouro, nem branco e nem preto.
- O arco-íris, Pedrinho, não tem começo e nem fim, pois ninguém sabe onde ele começa e termina. E tem mais uma coisa: você sabia que à noite também tem arco-íris?
- O que? Como assim papai se você me disse que ele é provocado pela luz do sol? Que eu saiba, não tem sol durante a noite.
- Aí você se engana meu filho. O sol brilha o tempo todo, enquanto é dia aqui, do outro lado do mundo é noite. Isso acontece, como você já sabe, porque a Terra gira em torno do Sol. Além do mais existem países em que a noite começa bem mais tarde do que em outros países.
- Mas papai, se durante a noite não tem sol e ele é que faz aparecer o arco-íris, como é possível ter arco-íris durante a noite?
- Em noites de lua cheia, principalmente, quando o céu se abre após uma chuva, a luz do sol que é a luz que faz a lua brilhar, já que a lua não tem luz própria, dá tanta claridade à lua que essa luz consegue iluminar as gotículas de água que ainda estão pelo ar. E aí, embora seja bastante raro, acontece um arco-íris noturno.
- Mas onde é que acontece isso papai?
- Em muitos lugares Pedrinho, em todos os lugares onde existem cataratas é comum eles aparecerem, No Havaí, eles são até comuns e aqui no Brasil aparecem sempre nas cataratas da Foz do Rio Iguaçu. Da mesma forma que acontece com o arco-íris diurno, quando você fica de costas para o sol, à noite você tem que ficar de costas para a lua. É muito bonito! Uma obra de arte na Natureza!
- Puxa, deve ser muito bonito mesmo! Queria tanto ver!
- Quem sabe um dia a gente possa fazer uma viagem e ver esse arco-íris, não é mesmo? Você tem mais alguma dúvida?
- Não papai, nenhuma dúvida. Na verdade só tem uma coisa: se ninguém nunca chegou até o final do arco-íris, então ninguém sabe se o pote de ouro existe ou não. Se o arco-íris é só uma ilusão de óptica como você disse, e que ninguém sabe onde é o começo ou o final, eu vou procurar no começo e no final e vou começar pelo começo, pois se tiver um começo, com certeza terá um final, não acha?

 

Ivan Jubert Guimarães

 

Direitos reservados ao autor